domingo, 13 de setembro de 2009

RIBEIRA - 404

- FUSCA -
O Volkswagen Fusca foi o primeiro modelo fabricado pela companhia alemã Volkswagen. Foi o carro mais vendido no mundo, ultrapassando em 1972 o recorde do Ford. O último modelo do Fusca foi produzido no México, em 2003.
A história do Fusca é uma das mais complexas e longas da história do automóvel. Diferente da maioria dos outros carros, o projeto do Fusca envolveu várias empresas e até mesmo o governo de seu país, e levaria à fundação de uma fábrica inteira de automóveis no processo. Alguns pontos são obscuros ou mal documentados, já que o projeto inicialmente não teria tal importância histórica, e certos detalhes perderam-se com a devastação causada pela Segunda Guerra Mundial. Grande parte dessa história pode ser condensada. No início da década de 1930 a Alemanha era assolada por uma dura recessão, e tinha um dos piores índices de motorização da Europa. A maioria de suas fábricas eram especializadas em carros de luxo, montados à mão, e ainda muito caros. Por isso, a idéia de um carro pequeno, econômico e fácil de produzir começou a ganhar popularidade. Era o conceito do Volkswagen, expressão alemã que traduz a idéia de "carro popular". Desde 1925 um conceito básico muito semelhante já existia. Porém, na década de 1930 Adolf Hitler havia ascendido ao poder na Alemanha, estando comprometido com a modernização do país e a recuperação da economia, principalmente do emprego. Entusiasta por carros desde a juventude, Hitler via com bons olhos a idéia de um carro popular. Para ele, a idéia de um "carro do povo" feito por trabalhadores alemães e viajando por todo o país era a exata realização da plataforma política de seu partido. Decidido a financiar uma empresa estatal para produzir os automóveis que trafegariam por suas recém-inauguradas autoestradas, Hitler deu sinal verde para o projeto. Após alguns discursos sobre o projeto, Hitler finalmente colocaria a Associação de Fabricantes de Automóveis Alemães (RDA) encarregada a execução do projeto. Assim, em 22 de junho de 1934 o contrato foi assinado, e os equipamentos foram instalados na Fabrica Porsche em Stuttgart, Alemanha. Alí foi desenvolvido o motos final e a logomarca VW. Uma idéia genial, adotada no Fusca, foi inclinar o motor levemente para dentro, o que economizava preciosos entímetros do capô. Em 26 de maio de 1938 foi colocada a pedra basilar da fábrica, com a presença do próprio Hitler. Mais de setenta mil pessoas participaram da solenidade.
O Fusca não foi sempre o mais barato dos carros, como pode-se pensar a princípio, e de fato vendeu pouco nos primeiros anos de importação na maioria dos diversos países onde a Volkswagen se instalou. Mas logo que as dificuldades econômicas foram superadas, rapidamente a fama de "indestrutível" do carro começou a se disseminar, ajudada pela mecânica simples e pela oferta e esquema de distribuição de peças sobressalentes. Logo o Fusca dominou a sua fatia de mercado na maioria dos lugares onde foi lançado. A Wolkswagen aproveitou para expandir a linha de veículos, como a Kombi e o Karmann Ghia. Além disso a facilidade da mecânica permitia alterações personalizadas, abrindo caminho para adaptações feitas por empresas independentes. Tal versatilidade de projeto permitia a Volkswagen diversificar sua linha aproveitando os componentes do Fusca. A Kombi foi a primeira derivação de porte, já em 1950. Já no final da década de 1950 o Fusca se mostrava uma aposta certeira para a Volkswagen, que se expandia rapidamente para além mar, chegando ao Brasil em 1957. O sucesso do Fusca evidentemente colocou a Volkswagen em posição privilegiada. Outros protótipos visando substituir o carro foram criados, como o caso da Brasilia brasileira, por exemplo. Porém nenhum conseguiu suplantar as vendas do Fusca. A popularidade do Fusca só aumentava, e em 1973 ocorreu o auge da popularidade, com 1 milhão 250 mil unidades produzidas por ano.
Entretanto, o fim da linha já estava a caminho desde os anos 1960. A linha "à ar" não duraria para sempre. A solução seria comprar a tecnologia necessária para novos carros, ao invés de investir em pesquisa. Assim, utilizado o pico de vendas de seus modelos "a ar", a Volkswagen comprou as alemãs DKW, a Audi, a Horch e a Wanderer. O extenso conhecimento em motores refrigerados à água dessas empresas permitiria a renovação total da linha VW, garantindo o futuro da empresa após o fim das vendas dos modelos "à ar". A nova linha começou a se estabelecer em 1973. com o lançamento do Passat. Logo após veio o Santana. O Fusca chegara ao fim em todo o mundo - menos no México, que aguentou até 2003.
---
Veja também:

Um comentário:

Manoel de Oliveira Cavalcanti Neto disse...

Um carro que fez história. Os hoje sessentões e setentões sempre sonharam com um fusca. Muitos não o puderam ter mas, nunca esquecerão o fusca, o fusquinha e o fuscão.
Abraços.